27/11/2009

Cauê Procópio

Postagem autorizada por Cauê Procópio
O compositor Cauê Procópio nasceu numa fazenda chamada “Brejo” em Condeúba , um pequeno município da Bahia. É neto de Zeca Procópio e filho de Celsino Boca Preta, folclóricos personagens do lugar. Dividiu sua infância entre Bahia e São Paulo até se estabelecer na grande metrópole aos 12 anos de idade. Depois de ter estudado cinema em São Paulo, formou-se em Composição popular, música e letra com Eduardo Gudin, e história e interpretação de Música na U.L.M de São Paulo. Atuou como guitarrista e compositor em várias bandas de rock, entre elas Vicio Escarlate, fazendo o circuito Blues e Rock em bares de São Paulo.
Trajetória
Desde os 17 anos vem de maneira marginal, mas contundente, conquistando apreciadores em seus shows tanto no Brasil como na Europa.
Em 2000 estreou o espetáculo e lançou o CD independente baseado em músicas nordestinas “Estórias e Canções”, no Teatro Plínio Marcos e exibido também no Projeto Equilíbrio, Lanterna, Sanja´s Jazz, Centro Cultural de São Paulo e SESC (Bertioga e Interlagos).
Com este espetáculo recebeu em 2003 os prêmios Charles de melhor artista, e Canto do Sabiá de melhor músico, no espaço Cultural Raso da Catarina (São Paulo

Compositor da trilha sonora original e músico acompanhante das seguintes peças:
“Vereda da Salvação” (Jorge de Andrade)
Direção de Roberta Soares. Teatro Irene Ravache de setembro de 2003 a março de 2004

“O Bispo do Rosário”
Direção Raquel Araújo e texto de Mauro Persil
Teatro Piolim 2004

Compositor da trilha original
“Saci Xirilapes e Xeretices”
De Raquel Araújo e Andréa Prior em cartaz por seis meses no Teatro 184 no ano de 2005

Compositor da trilha sonora original e músico acompanhante da peça.
"Larguem tudo, vamos voar!”
Autor e diretor: Darci Figueiredo com a companhia: Fabula da Fíbula em homenagem aos 100 (cem) anos de Santos Dumont.

Compositor da trilha original
Em cartaz por dois anos desde 2006 e circulando por teatros importantes da cidade de São Paulo como o Sérgio Cardoso e foi em homenagem aos 100 anos de santos Dumont.
Patrocinada pela Estação Ciência, Núcleo de Dramaturgia (USP).

Em 2006, lança o CD “E no céu triscava raio” e se apresenta na Virada Cultural em São Paulo na Praça Cornélio, e também no Espaço Cultural Lua Nova, Céu Butantã, Espaço cultural RASA e Sesc Bertioga.

Em março de 2007 representou a música brasileira no exterior, tocando na Casa de América em Madrid (Espanha).

Em abril de 2007 no Conservatório della Svizzera Italiana, Lugano (Suíça) a convite de Andrea Conti docente e apreciador de música brasileira e em Zurick numa sala do Opernhaus através de uma produtora suíça num festival de música latina, onde dividiu espaço com um músico peruano e um mexicano

Em outubro de 2007 se apresentou no VIII Ciclo de Música Americana no teatro do Museu de América na cidade de Madrid (Espanha) a convite de Carlos Nieto diretor artístico do museu.

Em 2008 se apresentou no Espaço Rasa, Centro Cultural Antônio Adolpho, Centro Cultural Lua Nova, CEU Butantã (São Paulo) e no Espaço Cultural Sérgio Porto e Espaço Cultural Arco da Velha (Rio de Janeiro).

Atualmente está compondo a trilha Sonora da peça “O Rio, o Poeta e a Cidade” do diretor Cauê Mattos com a companhia: Fabula da Fíbula em homenagem ao Rio Tietê.

Também escrevendo os arranjos de seu novo CD “O Cheiro do Infinito” que sera lançado em 2010.

“Cauê é desses trovadores que vi no palco, emitir luz própria. Respira música com expressiva generosidade e astuto, nos surpreende.”
Dinho Nascimento

Dinho Nascimento
Percussionista, cantor e compositor (Prêmio Revelação da MPB em 1997) com o álbum "Berimbau Blues” além de álbuns de destaque internacional como "Gongolô" (em 2000) "SER HUM MANO" (2007) Como percussionista, ele seguiu e participou de produções de artistas como João Donato, Tom Zé, Pena Branca & Xavantinho, Renato Teixeira, Zé Ketti, Frank Walter, João BA, Vidal França, Itamar, Gilberto Gil entre outros.

“Cauê Procópio! Um grande som que vem da Bahia!”
Chico lobo

Chico Lobo
Violeiro, compositor e cantor é um dos mais ativos e empenhados artistas na dinamização e divulgação da viola no cenário nacional e internacional. Entre seus CDs está "No braço dessa viola" que foi apontado ao Prêmio Sharp 1996 e "Cantoria Brasileira", com Xangai, Pena Branca, Renato Teixeira, Elomar, entre outros grandes nomes, foi apontado para o "Grammy Latino 2002".

*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*

Um comentário:

Mirianês Zabot disse...

Cauê Procópio é um grande artista.

Me lembro muito bem o quanto fiquei impressionada já nos primeiros compassos que ouvi de seu cd "E no céu triscava raio".
E da emoção de ouvi-lo cantando e tocando ao vivo.

Muito sucesso Cauê!!

Parabéns Antônio por estar mostrando aqui esses grandes artistas.